Posts Tagged ‘CPLP’

Articles

Assim (não) se vê a influência da Língua Portuguesa – Renato Epifânio

In Defesa da Língua Portuguesa,Língua Portuguesa Internacional,O Mundo de Língua Portuguesa on 30 de Dezembro de 2014 por ronsoar Tagged: , , , , , , , ,

.
O presidente do Movimento Internacional Lusófono (MIL), Renato Epifânio, lançou críticas em opinião recentemente veiculada no jornal Público aos resultados de uma pesquisa sobre a influência mundial das línguas, conduzida por cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, sigla em inglês) dos EUA.

A pesquisa foi realizada mediante elaboração de mapas a partir de três grandes massas multilingues de dados: uma do Twitter, outra do Wikipédia e outra de uma lista de traduções literárias de livros impressos.

“Verificamos que a estrutura destas três redes globais de línguas está centrada na língua inglesa, como um eixo global, e ao redor de um punhado de línguas de um eixo intermediário, que inclui o espanhol, o alemão, o francês, o russo, o português e o chinês”, explicam os autores do estudo publicado em novembro de 2014 na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, dos Estados Unidos da América.

Renato Epifânio contesta os resultados desta investigação e alega que “muito poucas línguas deveriam estar acima da Língua Portuguesa, desde logo pela sua geográfica difusão”, pois “estamos a falar de uma Língua com difusão na Europa, nas Américas, em África e na Ásia”.

O autor do artigo lamenta que, em virtude de muita divisão ainda reinante entre os países da Lusofonia no trato com a Língua comum e de muita relutância quanto ao princípio da gestão conjunta da Língua, “são os lusófonos os primeiros a não valorizar devidamente a sua cultura histórica”.

Mas ressalva que, em relação ao papel global da Língua Portuguesa, “o mais importante é essa capacidade ‘pontifícia’ (“construtora de pontes”) que a Língua e cultura portuguesa historicamente tiveram e que ainda hoje é reconhecida”.

Ventos da Lusofonia reproduz a seguir o artigo de opinião de Renato Epifânio, a criticar os resultados do estudo sobre o poder de influência das línguas no mundo. O artigo foi publicado na edição de 29 de dezembro de 2014 do jornal Público, de Portugal.  :::

.
*              *             *

–– Assim (não) se vê a influência
da Língua Portuguesa ––

Renato Epifânio,
do jornal Público (Portugal)
29 de dezembro de 2014

.
:::  Muito poucas línguas deveriam estar acima da Língua Portuguesa, desde logo pela sua geográfica difusão.  :::

.
Num interessante artigo publicado no dia 22 de dezembro (Influência de uma língua mede-se pela capacidade de ligar línguas diferentes), o jornal Público reproduz os dados essenciais de um estudo saído na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Neste, defende-se que “ao contrário do que se poderia pensar, a influência global de uma língua mede-se principalmente pelo seu nível de ligação com outras línguas, e, em particular, pela sua capacidade de mediar a comunicação entre línguas que de outra forma não conseguiriam ‘falar’ entre si”.

Surpreendentemente, porém, à luz dessa premissa, a Língua Portuguesa aparece numa posição “intermédia”, quando deveria aparecer numa posição mais cimeira.

Se a premissa é, como no artigo se enfatiza, a “capacidade de estabelecer pontes entre línguas associadas a culturas por vezes muito diferentes e afastadas do ponto de vista geográfico”, então muito poucas línguas deveriam estar acima da Língua Portuguesa, desde logo pela sua geográfica difusão: falando só dos países de Língua oficial portuguesa, estamos a falar de uma Língua com difusão na Europa, nas Américas, em África e na Ásia.

Se contarmos, como devemos contar, com as várias diásporas lusófonas e com outras regiões que, historicamente, mantiveram laços com o espaço de Língua Portuguesa, essa difusão geográfica alarga-se ainda mais.

Manifestamente, contudo, isso não foi tido em conta neste estudo – o seu coautor português, Bruno Gonçalves, chega mesmo a manifestar a sua “surpresa” pela “ligação [da Língua Portuguesa] à língua malaia”. Como se na Malásia não existisse, ainda hoje, uma significativa comunidade lusófona, em grande parte residente no chamado “Bairro Português de Malaca”, que tem preservado essa ligação à Lusofonia, mesmo com poucos ou nenhuns apoios oficiais.

A este respeito, não pode deixar de ser referida a Associação Coração em Malaca, sediada em Portugal, que, através dos seus membros – desde logo, da sua Presidente, Luísa Timóteo – não se tem cansado de manter essa ponte, que já levou, inclusive, a que alguns membros dessa comunidade tivessem estado recentemente em Portugal.

Este exemplo é, de resto, multiplicável a muitos outros países, sendo que o mais importante nem é sequer isso: o mais importante é essa capacidade pontifícia (“construtora de pontes”) que a Língua e cultura portuguesa historicamente tiveram e que ainda hoje é reconhecida – nomeadamente, no mundo árabe.

Daí o papel que a Lusofonia poderia hoje ter à escala global na resolução de alguns conflitos, inclusive de cariz religioso. Enquanto cultura em que desde sempre conviveram as “três religiões do Livro” – judaísmo, cristianismo e islamismo –, a cultura lusófona poderia dar um importante contributo para a paz mundial.

Infelizmente, contudo – importa reconhecê-lo –, são os lusófonos os primeiros a não valorizar devidamente a sua cultura histórica. Não surpreende, por isso, que muitos não lusófonos não a conheçam e que surjam mesmo estudos internacionais que façam tábua rasa dessa nossa cultura. Assim (não) se vê a “influência da Língua Portuguesa”.  :::

EPIFÂNIO, Renato. Assim (não) se vê a influência da Língua Portuguesa.
Extraído do jornal Público – seção Opinião
Lisboa, Portugal.
Publicado em: 29 dez. 2014.

Articles

IV Congresso da AILP em Macau: o Português na Ásia e seu caráter de “Língua-legião”

In Defesa da Língua Portuguesa,Língua Portuguesa Internacional,O Mundo de Língua Portuguesa on 9 de Dezembro de 2014 por ronsoar Tagged: , , , , , , ,

Da AILP – Associação Internacional de Linguística do Português e do IILP – Instituto Internacional da Língua Portuguesa

.
Entre os dias 3 e 5 de dezembro de 2014, realizou-se em Macau, no sul da China, o IV Congresso da Associação Internacional de Linguística do Português (AILP). O evento foi realizado no Departamento de Português da Universidade de Macau, no novo câmpus da instituição, situado na Ilha da Montanha (ou Hengqin, em seu nome chinês).

Um dos grandes objetivos do Congresso da AILP é investigar a presença da Língua Portuguesa na Ásia nos chamados “ambientes de superdiversidade”, com o fim do contexto colonial e o surgimento do conceito de Lusofonia.

O evento reuniu cerca de 150 linguistas, professores de português, pesquisadores e diretores de institutos de Língua Portuguesa dos mais variados países da Ásia, que abordaram sobre o ensino e a promoção da Língua no continente.

–– O Português como uma “Língua-legião” ––
O congresso também destacou o português como uma Língua pluricêntrica. O comunicado oficial da AILP na Internet sublinhou que “a onda mais recente de investigações socioculturais em e sobre a língua portuguesa, desenvolvidas na Ásia especialmente na Universidade de Macau, tem evidenciado novas marcas e tonalidades que evidenciam o português como uma Língua transnacional”.

“É insustentável falar em línguas puras, homogéneas, associáveis a um povo específico e faladas, com exclusividade, em um território circunscrito”, prossegue o comunicado, explicando o que é a “superdiversidade da Língua Portuguesa”.

“Assim, o que sobretudo precisa ser sublinhado é a ideia de uma Língua-legião: porque são muitas as Línguas Portuguesas. E como vêm sendo faladas por sujeitos com heranças linguísticas e culturais imprevisíveis, na Ásia e em outros espaços, vão sendo alimentadas, (re)criadas, e, assim, vão se manifestando saudáveis, mestiças, carregadas com as contradições dos seus falantes”, conclui o texto da AILP.

–– “Como está a Língua Portuguesa na Ásia?” ––
“Este congresso foi pensado para refletir a Língua Portuguesa na Ásia, porque sabe-se muito pouco sobre a região. À exceção de Macau, que é uma referência para toda a Ásia, sabemos muito pouco sobre o que acontece na Indonésia ou Malásia”, declarou no comunicado de abertura do evento o presidente da AILP e professor da Universidade de Macau, Roberval Teixeira e Silva.

“Como a perspectiva dos Países de Língua Portuguesa é cada vez mais promissora em termos mundiais, a Língua vai aparecendo e brotando em mais espaços”, explicou o docente, ao realçar a importância de se saber o “é que está acontecer com a Língua Portuguesa? Como é que funciona e que tipo de imagem existe sobre ela?”

–– Documentos em defesa do Português na Ásia ––
O congresso lançou um movimento inicial para gerar um documento direcionado às instituições de ensino e de pesquisa, públicas e privadas, em apoio às investigações sobre a Língua Portuguesa em seus mais variados usos na Ásia.

“Queríamos trazer pesquisadores de cada país para fazer um documento, que fosse útil para embaixadas, consulados, governos, instituições de fomento, no sentido de apoiar mais iniciativas ligadas à Língua Portuguesa, não apenas em termos de pesquisa, mas também em atividades culturais”, destacou Roberval Teixeira e Silva.

Entre as metas da AILP nesse sentido, pretende-se promover um encontro de líderes asiáticos envolvidos com a Língua Portuguesa, para a elaboração de um documento oficial em português nos diferentes países do continente. Será ainda lançado um livro a reunir as palestras dos especialistas asiáticos presentes ao congresso, cujo título provisório é o tema do evento: A Língua Portuguesa na Ásia sob a Perspectiva da Superdiversidade: Ensino, Pesquisa e Difusão.

–– Sobre a AILP ––
A Associação Internacional de Linguística do Português (AILP), sem fins lucrativos e de caráter científico e de promoção cultural, foi criada em 2001 pelos esforços conjuntos da Associação Brasileira de Linguística e da Associação Portuguesa de Linguística.

Seus congressos anteriores foram realizados na Universidade de Lisboa, em 2003, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 2007, e na Universidade Federal Fluminense, em Niterói, Brasil, em 2010.

O IV Congresso da AILP, na Universidade de Macau, contou também com os apoios do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), da Fundação Oriente (de Macau, China) e da Sociedade Internacional de Português Língua Estrangeira (SIPLE).  :::

.
–– Extraído da AILP – Associação Internacional de Linguística do Português e do IILP – Instituto Internacional da Língua Portuguesa ––

Articles

Jorge Sampaio: CPLP “podia aproveitar melhor” vantagem de ter uma Língua comum

In Língua Portuguesa Internacional,Lusofonia e Diversidade on 8 de Dezembro de 2014 por ronsoar Tagged: , , , , ,

Da Agência Lusa
4 de dezembro de 2014

.
O antigo Presidente da República Portuguesa, Jorge Sampaio, esteve presente na sessão de abertura da Conferência da Aliança Progressista, que decorreu em Lisboa nos dias 4 e 5 de dezembro de 2014.

Jorge Sampaio considerou que a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) “podia aproveitar melhor” o fato de ter uma Língua comum, defendendo mais políticas concertadas de cooperação para o desenvolvimento.

“Na CPLP, podemos aproveitar melhor o fato de termos uma Língua comum, com a revitalização destes fóruns em torno de uma agenda forte com prioridades comuns, da Língua aos oceanos, da cooperação à investigação, e isso podia ser portador de mudanças reais na vida de milhares ou milhões de pessoas”, disse o ex-presidente da República Portuguesa entre 1996 e 2006.

Para o antigo chefe de Estado português, a complementaridade de recursos, de instrumentos e de capacidades que existe no espaço da CPLP e de outros organismos similares obriga a “políticas concertadas de cooperação para o desenvolvimento movidas pela luta contra as desigualdades e que garantam que os jovens consigam ter acesso a mais oportunidades”, sendo crucial o desenvolvimento de “um novo paradigma da cooperação”.

Em sua intervenção, Jorge Sampaio passou em revista algumas das suas reflexões sobre o desenvolvimento e os grandes problemas que o mundo enfrenta, sublinhando a importância da “cooperação regional, onde há tanto por fazer”, e da apreensão que sente com a falta de solidariedade não só entre as gerações, mas também entre os mais ricos e os mais pobres.

A este propósito, salientou que os 85 multimilionários apontados pela organização internacional de ação social Oxfam detêm o mesmo valor que os 50% mais pobres da população mundial, o que significa – disse ele – que “85 pessoas têm os mesmos recursos que os 3,5 mil milhões de pessoas”.  :::

.
–– Extraído da Agência Lusa ––

Articles

Maioria da população dos países lusófonos tem cerca de um terço de jovens

In Lusofonia e Diversidade,O Mundo de Língua Portuguesa on 29 de Novembro de 2014 por ronsoar Tagged: , , , ,

Da Agência Lusa
18 de novembro de 2014

.
Cerca de um terço da população da maioria dos países de Língua oficial portuguesa tem entre 10 e 24 anos e pode “transformar o futuro” do seu Estado, segundo o relatório do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP) divulgado em 18 de novembro.

“O Poder de 1,8 Mil Milhões de Adolescentes e Jovens e a Transformação do Futuro”: este é o título do estudo sobre o estado da população mundial em 2014, que defende que o atual número de jovens no mundo – um recorde – pode impulsionar o desenvolvimento socioeconómico, com o adequado investimento na sua educação, na saúde e na proteção de direitos.

Dos nove lusófonos, apenas em Portugal e no Brasil os jovens não representam atualmente cerca de um terço da população: são 16% no país europeu e 25% no país sul-americano, embora neste caso ascendam ainda assim a 50,9 milhões.

Entre os restantes membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Timor-Leste apresenta o maior número de jovens, com 38% da população entre os 10 e os 24 anos, seguido de Angola e de Moçambique, ambos com 33% (7,2 milhões e 8,7 milhões respectivamente).

Cabo Verde e Guiné-Bissau têm 32% de jovens entre os 10 e os 24 anos, São Tomé e Príncipe tem 31% e a Guiné-Equatorial 30%.

O diretor-executivo do FNUAP, o nigeriano Babatunde Osotimehin, salientou, em um comunicado de divulgação do estudo, a oportunidade que a existência de um grande número de jovens representa para os países. Mas advertiu, no entanto, que “eles só podem transformar o futuro se tiverem competências técnicas, saúde, poderem decidir e fazer escolhas”.

O “dividendo demográfico” – que ocorre quando a população em idade ativa é maior do que a dependente e mais jovem – “tem o potencial para retirar centenas de milhões de pessoas da pobreza e elevar os padrões de vida, lançando as economias”, afirma o relatório do FNUAP.  :::

.
–– Extraído da Agência Lusa ––

Articles

Angola: Acordo Ortográfico deve respeitar realidade cultural dos países lusófonos

In Defesa da Língua Portuguesa,Língua Portuguesa Internacional,Lusofonia e Diversidade on 28 de Novembro de 2014 por ronsoar Tagged: , , , , ,

Da Agência AngolaPress
26 de novembro de 2014

.
A coordenadora da Comissão Nacional angolana do Instituto Internacional de Língua Portuguesa, Ana Paula Henriques, considerou em Luanda que a implementação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 deve respeitar aspectos ligados à realidade cultural e linguística dos países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Ana Paula Henriques, que falava na habitual Maka à Quarta-feira, promovida pela União dos Escritores Angolanos (UEA), afirmou ainda que o Acordo Ortográfico – elaborado em Lisboa em 16 de dezembro de 1990 e que foi ratificado pela maioria dos países da Comunidade – “não inclui o vocabulário de todos os vários países membros, e esta situação dificulta a implementação que desejam ver a seu termo linguístico”.

Segundo ela, o Acordo de 1990 “utiliza terminologia e escritas apenas de Portugal e do Brasil” – e esta é uma “situação que preocupa, sobretudo Angola, por não ver os seus termos nesta retificação, sendo que o mesmo [Acordo] tem o propósito de servir todos os países de Língua Portuguesa”.

A coordenadora, que orientou a palestra sobre o Acordo Ortográfico, considerou que as novas regras devem entrar em vigor em Angola à medida que o país “ver todos os intentos realizados, sobretudo, a uniformidade em todos os países da Comunidade”.

Disse que “a edição de manuais, revistas e programas informáticos vem criar uma certa dificuldade para aqueles que ainda não retificaram o Acordo”. Contudo, fez saber que as Comissões Nacionais do IILP “trabalham para que haja um meio termo para esta questão”.

Ana Paula Henriques acrescentou que “para a entrada em vigor deste Acordo no país, é necessário uma formação dos profissionais de educação, a troca do material educativo e de trabalho e a divulgação desta retificação e as suas vantagens”.

O evento Maka à Quarta-Feira, realizado na sede da UEA, contou com a participação de académicos, escritores, estudiosos da Língua Portuguesa, estudantes e jornalistas.  :::

.
–– Extraído da Agência AngolaPress ––

Articles

Sobre a Casa dos Estudantes do Império: uma homenagem à Lusofonia – Vítor Ramalho

In Lusofonia e Diversidade,O Mundo de Língua Portuguesa on 25 de Novembro de 2014 por ronsoar Tagged: , , , , ,

Nascido na então Angola do Ultramar português em 1948, o atual secretário-geral da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA), o português Vítor Ramalho, lançou artigo em homenagem à Casa dos Estudantes do Império. O que seria originalmente uma instituição do colonialismo português acabou por tornar-se um dos símbolos da formação da Lusofonia, tal como conhecemos hoje

Criada em 1944, a Casa dos Estudantes do Império, em Lisboa, tinha a função pretendida de instruir os estudantes das colónias portuguesas do então Ultramar dentro da ideologia da ditadura do Estado Novo, de António de Oliveira Salazar (que durou de 1933 a 1974). Porém, a partir do final dos anos 1950, acabou tornando-se o centro irradiador dos movimentos de independência dos países da África Lusófona e de combate ao fascismo e ao colonialismo português.

Pela Casa dos Estudantes do Império, passaram diversos intelectuais da África Portuguesa que conheceram as ideias em defesa dos nacionalismos africanos e entraram em contacto ente si para troca de informações e formação de alianças para, em seguida, darem início aos processos de independência das colónias do Ultramar, através das Guerras de Libertação.

Estiveram na Casa dos Estudantes do Império, entre outros: Amílcar Cabral (1924-1973), líder da libertação da Guiné-Bissau e de Cabo Verde; Mário Pinto de Andrade (1928-1990), ensaísta e líder do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA); Marcelino dos Santos, poeta e membro fundador da Frente de Libertação de Moçambique; e Agostinho Neto (1922-1979), poeta, líder do MPLA e primeiro presidente de Angola.

A Casa dos Estudantes do Império foi fechada pela polícia política do salazarismo em setembro de 1965. Mas isso não freou os movimentos de libertação e de contestação do regime: dez anos depois, ganharam a independência os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, os PALOP.

.
A seguir, o artigo de Vítor Ramalho em homenagem à Casa dos Estudantes do Império, publicado no portal África 21 Digital em 3 de novembro de 2014. Segundo ele, a lembrança da Casa dos Estudantes do Império “é tão justa e importante para os povos e países de Língua oficial portuguesa”.

.
*              *              *

–– Uma justa e importante homenagem para a Lusofonia ––

Vítor Ramalho
do portal África 21 Digital
3 de novembro de 2014

.
Estão em marcha ações promovidas pela UCCLA – União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa – integradas na homenagem à Casa dos Estudantes do Império (CEI) que se iniciam na Universidade de Coimbra.

Não havendo futuro sem memória, a CEI, que existiu entre 1944 e 1965, foi uma escola de formação cívica, cultural e política para muitos dos seus associados, então jovens universitários de todos os territórios e países que se exprimiam em português.

Por ela passaram e intervieram ativamente ou foram por ela registados, personalidades como Amílcar Cabral, Agostinho Neto, Joaquim Chissano, Pedro Pires, Lúcio Lara, França Van Dunem, Miguel Trovoada, Pepetela, Manuel Rui Monteiro, Óscar Monteiro, Alda Lara, Alda do Espirito Santo, Francisco José Tenreiro, Manuela Margarido.

Tornaram-se mais tarde referências incontornáveis dos países de Língua Portuguesa.

Numa altura em que se endeusam os mercados, é muito importante ter outro olhar para a afetividade, para a solidariedade e para a generosidade, cuidando da memória coletiva comum.

Daí a homenagem, que vai envolver a publicação de 22 livros de bolso que serão reeditados, a partir do dia 31 de outubro e até março de 2015, pelo jornal Sol.

Serão, também, reeditadas as Antologias Poéticas de Angola, Moçambique e São Tomé e Príncipe, haverá em maio de 2015 uma grande exposição sobre a CEI, na Câmara Municipal de Lisboa, um Colóquio Internacional na Fundação Calouste Gulbenkian, em 22, 23 e 25 de maio de 2015 e, neste último dia, encerrar-se-ão as homenagens com chave de ouro, com uma cerimónia especial.

Nela intervirão todos os associados da CEI que acabaram mais tarde por ser primeiros-ministros ou presidentes da República – Joaquim Chissano, Pascoal Mocumbi, Mário Machungo, Miguel Trovoada, França Van Dunem, Pedro Pires e Jorge Sampaio. Sobre Agostinho Neto, falará a sua viúva, Maria Eugénia Neto.

É por isso que esta homenagem, iniciada a 28 de outubro deste ano, no Auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra, com a presença, entre outros, do senhor Secretário-Executivo da CPLP, é tão justa e importante para os povos e países de Língua oficial portuguesa.  :::

.
RAMALHO, Vítor. Uma justa e importante homenagem para a Lusofonia.
Extraído do portal África 21 Digital – seção Observador Lusófono.
Publicado em: 03 nov. 2014.

Articles

“Há uma linguagem de negócios comum para as sociedades anónimas da CPLP”

In Lusofonia e Diversidade,O Mundo de Língua Portuguesa on 23 de Novembro de 2014 por ronsoar Tagged: , , , , ,

Da Agência Lusa e do Observatório da Língua Portuguesa
20 de novembro de 2014

.
Os países da CPLP partilham uma linguagem de negócios comum que favorece a aproximação económica entre os seus membros, apesar das diferentes normas jurídicas das sociedades empresariais.

As afinidades e divergências no direito das sociedades anónimas de sete países da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) são analisadas no livro A Governação das Sociedades Anónimas nos Sistemas Jurídicos Lusófonos, editado pelo Governance Lab, um grupo dedicado à investigação jurídica e à reflexão crítica sobre temas relacionados com o governo das organizações”, apresentado em Maputo no dia 20 de novembro de 2014.

Em entrevista à Lusa, Paulo Câmara, coordenador do Governance Lab, afirmou que o estudo detectou a existência de diferenças nas normas que regulam as sociedades anónimas na CPLP, mas que não prejudicam a existência de uma linguagem comum nos negócios e o potencial de aproximação económica entre os estados membros da organização.

“Se pegarmos nos pontos de convergência, por exemplo, a ideia do direito de informação, de prestação de contas, de direitos dos lucros dos acionistas, bem como a separação entre a administração e a fiscalização, podemos ver que eles traduzem aquilo que eu chamo uma linguagem de negócios comum, que facilita aproximações económicas entre os países”, disse Câmara.

–– A diversidade de normas permite “riqueza de soluções” ––
Para o coordenador do Governance Lab, as parcerias económico-empresariais no espaço da CPLP passam por os agentes económicos conhecerem as diferenças entre os sistemas jurídicos prevalecentes na comunidade e por uma abordagem que olhe para a diversidade de normas como um ativo, e não um entrave.

“O conhecimento dessas diferenças facilita a aproximação económica e o fluxo de negócios entre os países. Não podemos impor a todo o transe uma harmonização e uma convergência de caminho”, destacou Paulo Câmara.

Entre as diferenças no regime jurídico societário, assinalou Câmara, avulta o modelo de governação corporativa seguido pelo Brasil e que é distinto de outros países da CPLP, o progresso de Moçambique na proteção dos acionistas face à sociedade e o modo como é exercida a transparência em cada um dos países.

“Há uma grande riqueza de soluções, embora todos os países tenham os mesmos objetivos: fomentar mais transparência nas empresas, procurar combater o conflito de interesses, procurar que haja escrutínio sobre os atos da administração e procurar aperfeiçoar todos os mecanismos de fiscalização e de responsabilização”, declarou Paulo Câmara.  :::

.
–– Extraído da Agência Lusa e do Observatório da Língua Portuguesa ––