Articles

Isabel Pires de Lima: mais cooperação entre os países na promoção do Português no mundo

In Defesa da Língua Portuguesa, Língua Portuguesa Internacional on 7 de Novembro de 2014 by ronsoar Tagged: , , , , ,

Da Agência Lusa e do jornal Ponto Final (Macau, China)
6 de novembro de 2014

.
A antiga ministra da Cultura da República Portuguesa, Isabel Pires de Lima, defendeu em Macau, na China, que os países lusófonos devem cooperar no ensino da Língua Portuguesa no estrangeiro, ao invés de competirem.

A ex-governante esteve no Instituto Politécnico de Macau (IPM), onde apresentou em 6 de novembro último a palestra “As culturas da Lusofonia no mundo contemporâneo”, onde defendeu que “havendo vontade política, há muitas medidas que podem ser extremamente produtivas” para a promoção da Lusofonia.

Além da criação de “conteúdos em português na Internet” através de meios partilhados pelos diferentes países, Isabel Pires de Lima defendeu que o Ensino do Português no estrangeiro seja feito de forma coordenada, de modo a poupar esforços e recursos.

“É preciso congregar políticas no sentido em que, nos locais onde se ensina português no estrangeiro, como os leitorados, não esteja o Brasil a puxar para um lado, Portugal a puxar para outro, e em breve, provavelmente, Angola a puxar para outro”, alertou.

Isabel Pires de Lima exemplificou a ação de isolamento dos países lusófonos pela promoção da Língua comum, que, “quando está presente o Brasil, não precisa de estar presente Portugal nem precisa de estar presente Angola”.

“Podem conjugar-se no sentido de cobrir espaços diferentes e terem mais capacidade de intervenção. Se houver congregação de esforços, é muito mais eficaz”, concluiu.

No âmbito da promoção da Língua, Isabel Pires de Lima considera que Macau tem “um lugar angular neste momento”, já que “é uma praça-forte e uma plataforma de lançamento num continente que é o mais populoso de todos e num país que é o mais populoso do mundo”.

“A ação que o Centro Pedagógico e Cientifico da Língua Portuguesa”, que promoveu a palestra no IPM, “está a desenvolver, de formar professores e os colocar a ensinar português pela China fora, é uma ação extraordinariamente potenciadora para o português”, elogiou.

Macau é, no entanto, uma exceção, assim ela acredita, já que, na maioria dos países lusófonos, a vontade política para a promoção da lusofonia é “debilzinha”.

Os motivos são vários e de natureza diferente. “Algumas reticências que os países africanos de Língua Portuguesa colocam decorrem do facto de serem países que saíram há pouco tempo da era colonial. Há ressentimentos coloniais que demoram tempo a ser ultrapassados”, explicou. Já o Brasil, “tem uma dimensão continental que lhe dá a ilusão de que talvez possa atuar sozinho”, lamentou.

Isabel Pires de Lima ministrou sua palestra no Anfiteatro 1 do Edifício Wui Chi, sede do Instituto Politécnico de Macau. Professora catedrática de Literatura Portuguesa da Universidade do Porto, foi ministra da Cultura de Portugal entre 2005 e 2008, no gabinete de governo comandado por José Sócrates.  :::

.
–– Extraído da Agência Lusa e do jornal Ponto Final (Macau, China) ––

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: