Articles

“A Lusofonia está nos oito países e também em Boston, Paris ou Luxemburgo”, diz sociólogo

In Defesa da Língua Portuguesa, Lusofonia e Diversidade, O Mundo de Língua Portuguesa on 7 de Abril de 2014 by ronsoar Tagged: , , , , , , ,

Da Rádio Renascença (Portugal) e da Agência Lusa
6 de abril de 2014

:::  As comunidades lusófonas emigrantes são recursos que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) não está a utilizar, defende o sociólogo Pedro Góis, vencedor do prémio Fernão Mendes Pinto 2012.  :::

O sociólogo Pedro Góis: "A Lusofonia são oito países, mais as comunidades dos seus cidadãos dispersas pelo mundo."

O sociólogo Pedro Góis: “A Lusofonia são oito países, mais as comunidades dos seus cidadãos dispersas pelo mundo.”

“A Lusofonia são oito países, mais as comunidades dos seus cidadãos dispersas pelo mundo. A Lusofonia está também em Boston, Paris ou Luxemburgo, onde cidadãos lusófonos partilham parte da sua cultura”, defendeu o sociólogo Pedro Góis, que recebeu este ano o prémio atribuído pela Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) pela sua tese de doutoramento sobre a construção de uma identidade étnica transnacional de comunidades emigrantes cabo-verdianas.

Segundo declarações do sociólogo à Agência Lusa, abraçar esta realidade é “importante para a construção da Lusofonia”, alertando que estas comunidades “não são manipuláveis pelo poder político ou económico”, participando voluntariamente e “não a tempo inteiro” como agente da Lusofonia.

Contudo, “são recursos mobilizáveis”, que poderiam ser utilizados para “a projeção da Língua ou do potencial económico”, em conjunto com a própria CPLP. “Não há uma ação conjunta dos países lusófonos, nem ligada à diáspora”, acrescentou.

.
–– Cabo Verde também tem “ilhas da diáspora” ––
Ao apontar para o seu objeto de estudo, Cabo Verde e as suas comunidades emigrantes, Pedro Góis considerou que o país “não é só o arquipélago, mas também as ilhas da diáspora”, salientando que cada indivíduo, “mesmo que seja da terceira geração de descendentes”, transporta consigo “parte da identidade”, que pode ativá-la e torná-la “visível”.

Para Pedro Góis, abraçar essa realidade transnacional das comunidades pelo mundo é "importante para a construção da Lusofonia".

Para Pedro Góis, abraçar essa realidade transnacional das comunidades pelo mundo é “importante para a construção da Lusofonia”.

Para além de permanecer “o apegamento a uma realidade identitária”, essas comunidades criam a ligação não apenas pela vida em família, mas também pela ligação ao país a partir das redes sociais. A Internet vem possibilitar que os vínculos, quando se perdem, “sejam retomados por outra geração”, referiu o investigador do Centro de Estudos Sociais (CES) de Coimbra.

Neste processo, cria-se uma “identidade étnica transnacional”, em que se pode congelar “uma identidade do passado”, aclarou, exemplificando que, por vezes, a música cabo-verdiana ouvida fora do país já “não é ouvida” dentro de Cabo Verde.

“É uma identidade que não é nacional, está afastada das raízes e que por vezes se concretiza com a música, a participação política ou a alimentação”, afirmou.

O sociólogo sublinhou que, no caso de Cabo Verde, a identidade criada fora do país acaba por contribuir para a própria identidade do arquipélago.

A diáspora acaba por ser “uma base de recrutamento de cultura, de desporto, ou até de política”, disse, recordando o caso de Mayra Andrade, artista que não nasceu em Cabo Verde, ou da seleção de basquetebol cabo-verdiana que “é constituída, na sua maioria, por terceiras gerações de cabo-verdianos nos Estados Unidos da América”.

“Os cabo-verdianos criam uma etnicidade identitária, com base na crença de uma origem comum. Podem não ouvir música cabo-verdiana, podem não falar crioulo, mas sentem-se ligados com o país”, finalizou.

A Associação das Universidades de Língua Portuguesa atribuiu também este ano, a Odair Varela, o Prémio Fernão Mendes Pinto de 2013 pela sua tese de doutoramento, também realizada no CES, intitulada “Mestiçagem Jurídica? O Estado e a Participação Local na Justiça em Cabo Verde: uma análise pós-colonial”.

.
–– Extraído da Rádio Renascença (Portugal) e da Agência Lusa ––

Uma resposta to ““A Lusofonia está nos oito países e também em Boston, Paris ou Luxemburgo”, diz sociólogo”

  1. Obrigado pelo artigo ! Noticias das comunidades Lusofonas do mundo inteiro é aqui : https://www.facebook.com/ComunidadesLusofonasGlobal

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: