Articles

Você é a sua Língua – Arnaldo Niskier

In Defesa da Língua Portuguesa, O Mundo de Língua Portuguesa on 3 de Abril de 2014 by ronsoar Tagged: , , , , ,

Arnaldo Niskier é ex-presidente da Academia Brasileira de Letras.

Arnaldo Niskier é ex-presidente da Academia Brasileira de Letras.

 

Ventos da Lusofonia transcreve o artigo assinado pelo jornalista e escritor Arnaldo Niskier, ex-presidente da Academia Brasileira de Letras entre 1998 e 1999. Niskier também é acadêmico correspondente no Brasil da Academia de Ciências de Lisboa.

Em seu artigo publicado em fevereiro de 2014 no jornal Correio Braziliense, o autor e acadêmico declara: “O conhecimento da Língua Portuguesa é essencial” e “qualquer que seja o caminho adotado para a valorização da educação brasileira, o conhecimento da Língua é vital, estratégico mesmo”.

O autor também afirma que “a Língua é fator fundamental da unidade nacional, base da cultura de um povo. […] Temos a sorte e o destino de possuir uma só e poderosa Língua de cultura. Há que cuidar dela com carinho, valorizando os seus professores, escritores e todos os que sobre ela se debruçam. É uma forma de fortalecer a nossa cultura.”

.
*             *             *

–– Você é a sua Língua ––

Arnaldo Niskier
Do jornal Correio Braziliense (Brasília, Brasil)
22 de fevereiro de 2014

.
.
Qualquer que seja o curso a ser seguido por nossos alunos (ou mesmo na efetivação de concursos públicos), o conhecimento da Língua Portuguesa é essencial, com a mescla dos conteúdos de morfologia e sintaxe. Conhecer os valores semânticos é indispensável para o correto exercício profissional e também para a comunicação e expressão do idioma.

Sabe-se que há dificuldades no cumprimento das obrigações de interpretação de textos, como se exige nas provas, e isso é consequência dos crônicos deficits [défices] de leitura. Por isso mesmo, qualquer que seja o caminho adotado para a valorização da educação brasileira, o conhecimento da Língua é vital, estratégico mesmo. Não há currículo em nossas escolas que deixe de priorizar os estudos de português, a matéria mais bem servida de horas/aula.

Conhecer mais profundamente a Língua Portuguesa não deixa de ser, igualmente, exercício patriótico. Como compreender os textos de Machado de Assis, por exemplo, sem o adequado domínio da Língua? Devemos conhecer as suas origens, os seus caminhos e os riscos que pairam sobre o seu futuro, com o excesso de oferta eletrônica descontrolada.

A Política Nacional de Educação, mesmo sem estar nitidamente explicitada, pede cuidados especiais com o nosso idioma e o conhecimento de todos os pormenores que o cercam. O mesmo pode ser afirmado em relação ao futuro Plano Nacional de Educação, previsto para vigorar até o ano de 2020.

O Brasil vive período de grande enriquecimento do que chamamos de avaliação. Demorou muito para que adquiríssemos o real significado do que isso expressa, em termos de busca da qualidade. Se não conhecemos as nossas deficiências, como melhorar de conduta? No caso dos cuidados com a Língua pátria, sempre existe uma palavra de incentivo para que ela se aperfeiçoe. Vamos reparar que, nos currículos propostos, o espaço da Língua Portuguesa é praticamente sagrado, não devendo se reduzir em proveito de qualquer outra disciplina. Não existe nada mais importante.

Deve-se considerar, como fator rigorosamente prioritário, o preparo dos professores para ministrar a importante disciplina. Nas pesquisas, registra-se sempre que o português é a primeira colocada, com tendência levemente crescente. Está à frente da grade curricular, o que é sintoma altamente positivo, embora ainda insuficiente.

É preciso melhorar sempre mais, e aí insistimos no papel da leitura para que isso ocorra. Não nos anima o fato de termos poucas bibliotecas públicas, com um deficit nacional de 15 milhões de alunos sem a possibilidade de frequentar uma delas. Isso precisa ser corrigido em tempo hábil.

Sabe-se que a Língua é fator fundamental da unidade nacional, base da cultura de um povo. Pode-se argumentar com o festival de línguas em certos países europeus, onde a unidade fica prejudicada, embora cada povo lute pela preservação da sua língua como fator de independência e identidade popular. Temos a sorte e o destino de possuir uma só e poderosa Língua de cultura. Há que cuidar dela com carinho, valorizando os seus professores, escritores e todos os que sobre ela se debruçam. É uma forma de fortalecer a nossa cultura.

Em conversa com a especialista Marlene Blois, dela ouvimos inteligente ponderação: por que as principais teses científicas do nosso país são escritas em inglês, só para ter circulação internacional? Por que não defender o uso também do nosso idioma, tornando os trabalhos bilíngues? A valorização das nossas teses e futuras patentes passa pela Língua de Camões, também, pois ela é uma das mais ricas em termos de vocábulos e até de musicalidade. Uma Língua bonita, enfim, que está longe da pobreza proclamada por alguns autores de forma desarrazoada.  :::

.
NISKIER, Arnaldo. Você é a sua Língua.
Do jornal Correio Braziliense – Brasília, Brasil.
Publicado em: 22 fev. 2014.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: