Archive for 17 de Março, 2014

Articles

“Há maior interesse da China pelo Português”, diz professora da Universidade de Coimbra

In Língua Portuguesa Internacional,O Mundo de Língua Portuguesa on 17 de Março de 2014 por ronsoar Tagged: , , , , , , , ,

Do jornal O Mirante (Santarém, Portugal)
14 de março de 2014

A professora Carmen Mendes lançou um livro em inglês sobre o processo de negociações da transferência de Macau da administração portuguesa para a China.
 

.
A China mostra cada vez mais interesse na Língua Portuguesa e pretende transformar Macau em um centro de excelência de ensino da Língua, devido ao interesse económico em países lusófonos, disse a académica Carmen Mendes, em Coimbra.

“Há um crescente interesse da China na Língua Portuguesa” que acompanha o próprio interesse económico do país asiático em países como Brasil, Moçambique ou Angola, disse a professora da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra [FEUC], Carmen Mendes, à margem da apresentação do seu livro Portugal, China e as Negociações de Macau – 1986-1999 [escrito em inglês].

–– “A Língua prolifera mais agora do que antes” ––
A docente e especialista em Estudos Chineses considerou que, em Macau, para além de universidades, politécnicos e escolas apostarem no ensino da Língua, “há muitos institutos privados e do governo” que oferecem cursos.

Tal fenómeno “extravasa a vontade de Portugal”, e este “não tem voto na matéria”, observou, frisando que, “enquanto houver interesse da China no mercado lusófono, a Língua e o legado lusófono mantêm-se em Macau”.

“A Língua Portuguesa prolifera muito mais em Macau agora do que antes”, constatou a docente da FEUC, considerando que a missão de Macau na Lusofonia está espelhada no Fórum Macau, criado pela China em 2003, e que funciona como plataforma económica e comercial da China com os países de Língua Portuguesa, cujo secretariado permanente está na antiga colónia portuguesa.

–– Macau é um “aluno exemplar” da China ––
Para a investigadora, Macau garantiu a manutenção da “sua identidade”, muito por culpa de ser um “aluno exemplar”, no que toca a Regiões Administrativas Especiais da República Popular da China e à relação que tem com a mesma.

Também a ideia que o antigo primeiro-ministro chinês Li Peng transmitiu a Carlos Melancia, governador português da altura –(*)–, de que seria a China a aproximar-se de Macau parece estar “a funcionar”, disse. E recordou que a China “está a tornar-se cada vez mais aberta economicamente, estando perto de um capitalismo puro”, notando-se também alguma abertura do ponto de vista político.

Carmen Mendes constatou ainda que “são os chineses que tentam preservar” o património cultural deixado pela presença portuguesa, por “atrair muito turismo para Macau” e pelo interesse em ter uma cidade em território chinês com características semelhantes aos países de Língua Portuguesa.

Durante a apresentação do livro, o vice-reitor da Universidade de Coimbra, Joaquim Ramos de Carvalho, recordou que “há 30 licenciaturas em Língua Portuguesa” nas universidades chinesas.

O livro de Carmen Mendes foi editado pela Hong Kong University Press e é promovido em Portugal pela Livraria Almedina.  :::

Assinatura da Declaração Conjunta Sino-Portuguesa sobre a Questão de Macau, feita por Aníbal Cavaco Silva e Zhao Ziyang, em Pequim em 13 de abril de 1987.

.
*              *              *

–– Nota: ––
–(*)– A reportagem faz referência ao final da década de 1980, durante o processo de transferência da soberania do território ultramarino português de Macau para a República Popular da China.

Carlos Melancia foi governador de Macau entre julho de 1987 e abril de 1991, e Li Peng foi primeiro-ministro da China entre novembro de 1987 e março de 1998. Ambos foram alçados ao poder já com a entrada em vigor da Declaração Conjunta Sino-Portuguesa sobre a Questão de Macau, assinada em Pequim a 13 de abril de 1987, pelo antecessor de Li Peng, Zhao Ziyang, e pelo então primeiro-ministro da República Portuguesa, Aníbal Cavaco Silva.

A Declaração de 1987 conferiu a Macau o estatuto de “território chinês sob administração portuguesa”, e criou a Região Administrativa Especial de Macau. A transferência plena da soberania do território português de Macau para a República Popular da China ocorreu em 20 de dezembro de 1999.  :::

.
Há cada vez mais interesse da China na Língua Portuguesa.
Extraído do jornal O Mirante (Santarém, Portugal).
Publicado em: 14 mar. 2014.