Articles

Conferência na Universidade Lusíada de Lisboa sobre adesão da Guiné Equatorial à CPLP

In Defesa da Língua Portuguesa, Língua Portuguesa Internacional, Lusofonia e Diversidade on 2 de Dezembro de 2013 by ronsoar Tagged: , , , , ,

Da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e da AIM (Moçambique)
30 de novembro de 2013

.
A Universidade Lusíada de Lisboa realiza na terça-feira, dia 3 de dezembro, uma conferência que analisará a integração da Guiné Equatorial à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

A Conferência em Lisboa – com o tema A Guiné Equatorial e a CPLP: De Membro Associado à Adesão Plena? – contará com a presença do secretário executivo da organização, o embaixador Murade Murargy. A programação da conferência pode ser vista aqui no sítio da Universidade Lusíada de Lisboa.

O evento vai contar também com as intervenções do secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, da República Portuguesa, Luís Campos Ferreira; do embaixador da Guiné Equatorial em Portugal, José Dougan Chubum; e do antigo ministro português de Estado e dos Negócios Estrangeiros, António Martins da Cruz.

A conferência é organizada e moderada por José Francisco Pavia, coordenador do Centro Lusíada de Investigação em Política Internacional e Segurança.

O evento internacional “pretende chamar a atenção da opinião pública portuguesa, da imprensa falada e escrita e dos meios políticos e económicos, tendo como desiderato último a entrada como membro de pleno direito na CPLP, na próxima Cimeira de Díli, Timor-Leste, em julho de 2014, da Guiné Equatorial”, diz a Universidade Lusíada de Lisboa na sua página na Internet.

Desde junho de 2010, a Guiné Equatorial deseja ser membro pleno da CPLP, embora apenas em 2011 tenha tornado a Língua Portuguesa como oficial no país – ao lado do espanhol e do francês.
 

O país africano, governado pelo presidente Teodoro Obiang Mbasogo desde 1979, obteve o estatuto de observador associado da Comunidade na VI Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, realizada em julho de 2006, em Bissau. Em junho de 2010, a Guiné Equatorial solicitou formalmente a sua adesão como membro de pleno direito da CPLP.

A Guiné Equatorial comprometeu-se a colocar a Língua Portuguesa como oficial, ao lado do espanhol e do francês – como foi feito através de decreto aprovado pela Assembleia Nacional em Malabo em outubro de 2011. Mas há reservas pelo facto de o português não ser a Língua materna de pelo menos parte da população e também pela ausência do uso da Língua pelos próprios meios de comunicação oficiais do país.

As reservas de Portugal – e também de muitas associações civis dos países lusófonos – à Guiné Equatorial apoiam-se também sobre questões de princípios, como a reputação internacional negativa do país africano quanto ao respeito aos direitos humanos e às liberdades democráticas.

–– Murargy: “Faremos todos os esforços pela Guiné Equatorial na CPLP” ––
Entre os dias 24 e 26 de outubro, o secretário-executivo da CPLP visitou São Tomé, onde debateu o assunto ao reunir-se com o presidente da República, Manuel Pinto da Costa, e com o primeiro-ministro, Gabriel Costa.

“É um processo que está em curso. Muito em breve vamos ter uma missão que se vai deslocar à Guiné Equatorial para avaliar a implementação do plano de ação do processo de adesão”, assegurou Murargy.

Murade Murargy disse na ocasião acreditar que o processo está no bom caminho. “Acredito que faremos todos os esforços para que a Guiné Equatorial seja o próximo membro da CPLP.”

No encontro com Manuel Pinto da Costa, o secretário-executivo da CPLP analisou as propostas de reforma da organização de Língua Portuguesa. “Que a CPLP seja de todos, que responda aos anseios e aos interesses de todos os países que fazem parte e dos respectivos cidadãos. Este é o objetivo principal”, concluiu.

O embaixador moçambicano Murade Issac Miguigy Murargy lidera a CPLP desde setembro de 2012.

São membros plenos da CPLP oito países, nomeadamente Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. A CPLP tem ainda três observadores associados: Maurícia e Senegal, além da Guiné Equatorial.  :::

.
–– Extraído da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e da AIM (Moçambique) ––

.
*              *              *

Leia também:
A polémica adesão da Guiné Equatorial à CPLP: ainda não há consenso – 05 de setembro de 2013
CPLP: Murargy visita a Guiné Equatorial – 03 de fevereiro de 2013
Guiné Equatorial cria Comissão Nacional para a Língua Portuguesa – 31 de julho de 2012

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: