Archive for 30 de Outubro, 2013

Articles

Desafio para o Português: ser uma Língua da tecnologia

In Defesa da Língua Portuguesa,Língua Portuguesa Internacional,O Mundo de Língua Portuguesa on 30 de Outubro de 2013 por ronsoar Tagged: , , , , , , , , , ,

Ronaldo Santos Soares
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Universidade de São Paulo

.
Durante os dias 29 e 30 de outubro, Lisboa abrigou a II Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial.

O encontro promovido na Universidade de Lisboa, com o apoio da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, foi realizado em prol da defesa da afirmação da Língua e de sua presença em um mundo globalizado que revaloriza o multilinguismo. E também discutiu os rumos da Língua para seus usos nas áreas técnicas, sobretudo as ligadas às tecnologias de ponta e às Ciências da Informação.

Tal iniciativa de planeamento quanto à Língua Portuguesa é necessário para que seja apta a expressar as novas realidades que surgem no mundo a cada dia. Para que seja uma Língua apta para a ciência, a Língua Portuguesa deve ser munida de termos próprios para expressar os novos conhecimentos do mundo no futuro – notadamente no vocabulário das áreas técnicas e na sua difusão para o uso na Língua Portuguesa comum.

Muitas vezes, há termos na Língua Portuguesa para expressar esses novos conceitos, mas são muito pouco difundidos fora dos meios técnicos. Em vez disso, aparece um grande afluxo de termos estrangeiros, sobretudo do inglês, que não ganham um tradução adequada ou uma adaptação aos padrões de escrita e de pronúncia do português e que acabam logo migrando para a Língua comum, não especializada.

Esse fato já compromete a qualidade lexical da Língua para a comunicação de conceitos ligados a ciência e tecnologia, classificada como “fragmentária” em seus recursos linguísticos e orais para expressar as Tecnologias da Comunicação e da Informação, como atestam os dados do Livro Branco A Língua Portuguesa na Era Digital, elaborado pela União Europeia.

O uso das terminologias ganha importância crescente no universo das grandes línguas do mundo, e isto não é diferente para a Língua Portuguesa. Aliás, está em curso a elaboração do Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa – a cargo do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, com base na junção dos Vocabulários Ortográficos Nacionais: será uma das ferramentas de vulto para a dinamização da Língua quanto à escrita e também para o registro de seus novos termos técnicos.

Os poderes públicos devem ser a linha de frente para a execução das políticas de planeamento e difusão da Língua Portuguesa, juntamente com os profissionais das áreas técnicas, com os órgãos de padronização e com os canais de mídia ligados às áreas científicas. Os meios de comunicação social dos governos lusófonos devem ser exemplo de bom uso dos termos em português quando fizerem citação das novas tecnologias.

O português pode seguir o exemplo de outras grandes línguas que encararam o desafio de adaptar-se ao mundo do século XXI, como ocorre no francês, no espanhol, e até no norueguês e no galego, este último bem relacionado com a Lusofonia.

Dotar a sexta Língua mais falada no mundo de mecanismos e de instrumentos para torná-la uma Língua moderna, criativa e capaz de expressar as novas técnicas e os novos conhecimentos da humanidade: esta é a meta do novo Plano de Ação a ser delineado pela Conferência Internacional de Lisboa que leva no nome a preocupação quanto ao futuro da Língua Portuguesa no mundo.

O português, a Língua “filha ilustre do Latim”, é a Língua de Camões, de poesias, da saudade, do samba e do fado. Mas também pode ser a Língua da modernidade, da inovação, dos avanços das ciências e das tecnologias de ponta. Desta conferência vai surgir uma Língua Portuguesa preparada para o século XXI.  :::

.
por Ronaldo Santos Soares – Defesa da Língua Portuguesa

.
*              *              *

II Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial
Língua Portuguesa Global – Internacionalização, Ciência e Inovação
29 e 30 de outubro de 2013
Universidade de Lisboa
Lisboa, Portugal
<http://www.conferencialp.org/>

.
*              *              *

Leia também:
Real Academia Espanhola, 300 anos – e uma inspiração para a Língua Portuguesa internacional – 12 de outubro de 2013
Língua Portuguesa como Língua de ciência e inovação – objetivo da CPLP – 24 de setembro de 2013
Os desafios da Língua Portuguesa na Era Digital – 20 de novembro de 2012
“Língua Portuguesa pode perder-se na era digital”, alerta cientista da Universidade de Lisboa – 16 de novembro de 2012
Preparando o Português para ser a “Língua da Ciência” – 23 de setembro de 2012

Articles

Países da Lusofonia querem Português como Língua oficial das Nações Unidas

In Defesa da Língua Portuguesa,Língua Portuguesa Internacional,O Mundo de Língua Portuguesa on 30 de Outubro de 2013 por ronsoar Tagged: , , , , , , ,

Da Agência Lusa
28 de outubro de 2013

Os governos dos países lusófonos estão empenhados em tornar a Língua Portuguesa uma das Línguas oficiais – ou até uma das Línguas de trabalho – da Organização das Nações Unidas.
 

O embaixador da República Portuguesa na Organização das Nações Unidas (ONU), Álvaro Mendonça e Moura, explicou à Agência Lusa que existe “um esforço constante” e que “todos os parceiros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, a CPLP, estão empenhados em persistentemente defender e valorizar” o lugar da Língua Portuguesa na organização internacional.

O embaixador do Brasil, Guilherme de Aguiar Patriota, disse que “é uma prioridade para o Brasil a colaboração estreita com os países de Língua Portuguesa na ONU” e propõe “que a estratégia de disseminação [da Língua] seja feita de modo gradual, uma vez que se trata de uma questão que envolve custos”.

“Um ponto de partida, por exemplo, poderá ser a tradução de alguns documentos da ONU para a Língua Portuguesa”, explicou Guilherme Patriota, sublinhando que “em algumas agências especializadas da ONU, como por exemplo a Organização Mundial de Propriedade Intelectual, a OMPI, já se admite a prática de intervenções em português durante as reuniões principais do órgão deliberativo”.

A ONU tem hoje duas línguas de trabalho – inglês e francês – e seis línguas oficiais – árabe, chinês, inglês, francês, russo e espanhol.

Se o português fosse considerado Língua oficial, todas as intervenções seriam obrigatoriamente traduzidas em simultâneo. Caso alcançasse o estatuto de Língua de trabalho, todo a documentação produzida passaria a estar disponível também em português.

Em 2010, o Presidente da República Portuguesa, Aníbal Cavaco Silva, já manifestara este desejo e desafiara os países lusófonos a incentivar o uso da Língua nas Nações Unidas.

Desde então, os países têm feito um esforço para sublinhar a diversidade geográfica da implantação da Língua em debates de alto nível, como aconteceu em setembro no debate geral na abertura da 68ª. Assembleia Geral da ONU, em que todos os representantes da CPLP falaram em português.

Para tornar isso possível, a CPLP teve de pagar cerca de 550 euros e facultar uma tradução dos discursos em uma das línguas oficiais de cada intervenção.

A presidente da República do Brasil, Dilma Rousseff, abriu a 68ª. sessão da Assembleia Geral da ONU discursando em Língua Portuguesa. O Brasil é membro fundador da ONU e um dos primeiros signatários da Carta das Nações Unidas, em junho de 1945. O representante do Governo brasileiro, por tradição das Nações Unidas, faz o primeiro discurso das sessões da Assembleia Geral porque um chanceler brasileiro, Osvaldo Aranha, presidiu a primeira sessão especial do órgão em 1947.

Os embaixadores Álvaro de Mendonça e Moura, de Portugal, e Guilherme de Aguiar Patriota, do Brasil, defendem maior presença da Língua Portuguesa – Língua “com expressão verdadeiramente global” – nos comunicados oficiais das Nações Unidas.
 

–– O Português já é uma Língua “verdadeiramente global” ––
Álvaro Mendonça e Moura sublinhou que o português “já tem estatuto de Língua oficial, de trabalho ou de documentação em uma multiplicidade de entidades pertencentes ao sistema” da ONU, e dá vários exemplos, como a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), o Fundo Monetário Internacional (FMI) ou a Organização Mundial de Saúde (OMS).

O mesmo acontece na União Africana, na União Europeia, que adotou todas as línguas dos países-membros, na Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) e na Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

O diplomata lembrou ainda que a Língua Portuguesa é uma das duas Línguas não oficiais com emissões diárias na Rádio ONU e que isso é “o reconhecimento devido pelo expressivo número de falantes do português no mundo, em diferentes países e em vários continentes”.

Mendonça e Moura recordou que o português “é a única das Línguas com expressão verdadeiramente global que não é Língua oficial das Nações Unidas”, considerando-se a associação do número de falantes com a implantação geográfica, em oito países de quatro continentes.

O diplomata reconheceu, no entanto, que “o momento atual de crise financeira internacional não é o mais propício a realizar um projeto desta natureza que envolve naturalmente investimentos significativos e despesas recorrentes apreciáveis”.

“Mas nem por isso o nosso empenho, nem o dos nossos parceiros da CPLP, diminui, continuando a aproveitar todas as oportunidades para realçar a importância da nossa Língua no contexto das relações internacionais, incluindo no quadro de resoluções das Nações Unidas”, concluiu.  :::

.
Assista em direto à II Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial, em Lisboa, através deste enlace para vídeo do Observatório da Língua Portuguesa.

.

.
–– Extraído da Agência Lusa ––

.
*              *              *

Leia também:
Rui Machete: a dimensão global da Língua Portuguesa e dos países lusófonos na ONU – 03 de outubro de 2013
O Português conquistou a Internet, agora quer ser Língua oficial nas organizações internacionais – 02 de outubro de 2013
Afirmação do Português dominará a II Conferência Internacional da Língua Portuguesa – 23 de setembro de 2013
Um concerto para celebrar a Língua Portuguesa nas Nações Unidas – 06 de maio de 2013