Archive for 7 de Outubro, 2013

Articles

Bilingues desde pequenos utilizam mais áreas do cérebro, diz pesquisa

In Defesa da Língua Portuguesa,Lusofonia e Diversidade on 7 de Outubro de 2013 por ronsoar Tagged: , , ,

Uma pesquisa recentemente divulgada, coordenada por um projeto desenvolvido por quatro universidades da Espanha, revela um facto importante para quem aprendeu a falar mais de uma língua desde a infância: as pessoas que são bilingues desde crianças utilizam mais partes do cérebro e desenvolvem maior capacidade de aprendizado.

As pessoas bilingues desde pequenas são mais hábeis em adaptar-se a mudanças do que as pessoas que falam apenas uma língua e mesmo aquelas que aprendem uma segunda língua depois de adultos. O aprendizado de uma nova língua em idade avançada é mais dificultado porque os recursos de comunicação na primeira língua já ocuparam um “espaço prioritário” no cérebro, tornando-se um código padrão pessoal de comunicação linguística.

Mas mesmo as pessoas que são bilingues desde que aprenderam a falar, apesar de sua flexibilidade cognitiva, apresentam um processamento da linguagem de menor eficiência.

Os dados dessa pesquisa sobre o bilinguismo servem como parâmetro para esse fenómeno linguístico também presente nos países lusófonos, onde há pessoas que se expressam tanto em Língua Portuguesa quanto em outras línguas e dialetos locais.

A reportagem a seguir, da Agencia EFE e do diário espanhol 20 Minutos, mostra mais detalhes desse estudo espanhol sobre a relação entre a capacidade de aprendizado e o bilinguismo.

.
*              *              *

–– Bilingues desde pequenos utilizam mais áreas do cérebro ––

Da Agencia EFE e do jornal 20 Minutos (Espanha)
20 de setembro de 2013


 

Ser bilingue tem as suas luzes e as suas sombras. Por um lado, as pessoas bilingues desde pequenas utilizam mais áreas cerebrais, aumentam a sua capacidade cognitiva e são mais capazes de se adaptar às mudanças que as monolingues. Por outro lado, elas têm um processamento de linguagem menos eficiente.

Esta é a conclusão do projeto científico Consolider Brainglot, que há seis anos estuda a base neurocientífica do bilinguismo e cujos resultados foram apresentados na VI Oficina sobre Bilinguismo e Neurociência Cognitiva [realizada na Universidade Pompeu Fabra, em Barcelona, na Espanha].

.
O estudo, que contou com um orçamento de 5 milhões de euros e no qual participaram cem investigadores de quatro universidades espanholas – a Universidade Pompeu Fabra, a Universidade de Barcelona, a Universidade Jaime I [de Castellón de la Plana, na Comunidade Valenciana] e a Universidade do País Basco – estudou os mecanismos de cognição neurológica que permitem a aquisição e o uso de línguas diferentes.

Coordenada pela professora Núria Sebastián, da Universidade Pompeu Fabra, a investigação permitiu compreender que a morfologia do cérebro vem determinada pelo número de Línguas que são aprendidas simultaneamente, explicou a investigadora.

O estudo foi conduzido em Espanha, porque o país conta um “cenário perfeito” para a realização deste projeto, uma vez que há pessoas que usam línguas muito semelhantes, como o catalão e o castelhano, ou bem diferentes, como o castelhano e o basco.

–– Escolhendo constantemente em que língua se fala ––
O estudo concluiu que as pessoas que são bilingues desde que aprenderam a falar têm um processamento de linguagem menos eficiente. De acordo com Núria Sebastián, “quando uma pessoa bilingue fala, basta ela perceber que há uma segunda língua ‘perturbando’ que ela torna mais lenta a emissão de uma determinada palavra. Ou seja, o seu cérebro deve ficar a escolher constantemente em que língua se fala. Esta capacidade neurológica é conhecida tecnicamente como flexibilidade cognitiva.”

No entanto, devido à troca constante de idiomas, os bilingues desenvolvem outras habilidades cognitivas, não linguísticas, que lhes permitem adaptar-se com vantagem às mudanças de tarefas, segundo o estudo.

Segundo a professora Núria Sebastián, da Universidade Pompeu Fabra, de Barcelona, coordenadora do projeto, “quando uma pessoa bilingue fala, basta ela perceber que há uma segunda língua ‘perturbando’ que ela torna mais lenta a emissão de uma determinada palavra. Ou seja, o seu cérebro deve ficar a escolher constantemente em que língua se fala.”
 

Além de estudar as vantagens cognitivas associadas ao bilinguismo, uma outra seção do estudo Brainglot esteve concentrada na aprendizagem de uma segunda língua. O facto de que custa mais para aprender uma segunda língua a uma idade mais avançada que na qual aprendemos a primeira língua é porque esta primeira língua já ocupou um espaço prioritário no cérebro.

Assim, a investigação evidenciou que existem diferenças cerebrais morfológicas entre os indivíduos que são bilingues nativos e os que aprendem uma segunda língua quando são maiores de idade.

O projeto também permitiu estabelecer como são representadas no cérebro as diferenças entre um bilingue nativo e aquele que aprende depois uma segunda língua. “Como todos nós somos igualmente bons no aprendizado de línguas nativas, apenas foram identificadas as diferenças na instrução. O facto de que existem diferenças nas segundas línguas que são aprendidas sugere que determinadas formas de aprendizagem são mais eficientes”, destaca Núria Sebastián.

Em virtude disso, o projeto abriu o caminho para identificar os padrões cerebrais que se correlacionam com as melhores estratégias de aprendizagem e a possibilidade de que no futuro cada indivíduo possa saber qual a melhor maneira de aprender uma segunda língua.  :::

(Tradução de Ronaldo Santos Soares)

.
Los Bilingües desde Pequeños Utilizan Más Partes del Cerebro.
Extraído da Agencia EFE e do jornal 20 Minutos – Espanha
Publicado em: 20 set. 2013.

.
*              *              *

Leia também:
Bebés podem distinguir idiomas mesmo antes de aprenderem a falar, diz estudo – 17 de fevereiro de 2013

Articles

4ª Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Aberto em São Paulo

In Defesa da Língua Portuguesa,Língua Portuguesa Internacional,O Mundo de Língua Portuguesa on 7 de Outubro de 2013 por ronsoar Tagged: , , , , , , ,

Com dados da Universidade de São Paulo (Brasil)

.
Entre os dias 6 e 9 de outubro, ocorre a 4ª Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Aberto, a ser realizada na Universidade de São Paulo, Brasil.

Os assuntos das palestras e mesas-redondas são: as políticas oficiais de informação em acesso aberto (ou acesso livre) nos meios informáticos e digitais; a legislação sobre logiciais abertos; os direitos autorais e o acesso aberto; e os repositórios de publicações eletrônicas em acesso aberto, sobretudo as académicas e de áreas especializadas.

A conferência terá debates em mesas-redondas, apresentação de pôsteres e oficinas voltadas a pesquisadores, docentes, bibliotecários, administradores, estudantes e representantes dos setores públicos.

–– A Língua Portuguesa deve ser apta para expressar as Tecnologias da Informação ––
A conferência sobre acesso aberto em São Paulo tem lugar com a proximidade da realização, em Lisboa, da II Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial, em que será abordado o papel internacional da Língua Portuguesa, bem como o seu uso nas áreas da ciência, da inovação e das tecnologias de ponta.

A necessidade de formular políticas conjuntas para a difusão do conhecimento em Língua Portuguesa das áreas técnicas de inovação, e a elaboração de medidas para o aprimoramento e a divulgação de terminologias técnicas de qualidade em Língua Portuguesa para essas áreas, assim como as das Tecnologias da Comunicação e da Informação.

Um dos objetivos principais desse conjunto de políticas é tornar a Língua Portuguesa apta para o uso pleno em todos os ramos do conhecimento e da pesquisa, principalmente as das novas tecnologias. E tais assuntos estarão presentes tanto na Conferência Luso-Brasileira de São Paulo quanto da Conferência Internacional a ser realizada em Portugal nos dias 29 e 30 de outubro.

Participam da conferência palestrantes vindos de diversos países como Brasil, Portugal, Canadá, Estados Unidos da América, Moçambique, Reino Unido e Rússia.

A 4ª. Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Aberto ocorre no auditório da Biblioteca Brasiliana, na Cidade Universitária, em São Paulo.

A conferência, realizada pela Universidade de São Paulo através do seu Sistema Integrado de Bibliotecas, conta também com a organização: da Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN), de Portugal; da Universidade do Minho; da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) – órgão do Minisitério da Educação e Ciência da República Portuguesa –; do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT); e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) – os dois últimos são órgãos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil.

Mais informações no sítio de Internet da 4ª. Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Aberto, em São Paulo.  :::

.
–– Baseado em dados da Universidade de São Paulo (Brasil) ––

.
*              *              *

Leia também:
Língua Portuguesa como Língua de ciência e inovação – objetivo da CPLP – 24 de setembro de 2013
Afirmação do Português dominará a II Conferência Internacional da Língua Portuguesa – 20 de setembro de 2013
Os desafios da Língua Portuguesa na Era Digital – 20 de novembro de 2012
“Língua Portuguesa pode perder-se na era digital”, alerta cientista da Universidade de Lisboa – 16 de novembro de 2012
Preparando o Português para ser a “Língua da ciência” – 23 de setembro de 2012