Articles

O comércio mundial do petróleo também será em Língua Portuguesa

In Lusofonia e Diversidade, O Mundo de Língua Portuguesa on 29 de Maio de 2013 by ronsoar Tagged: , , , , , , ,

Da Agência Lusa e dos jornais Expresso e Diário Económico (Portugal)

Plataforma de alto-mar em Angola: a Língua Portuguesa será uma das principais do comércio internacional de petróleo.
 

A Lusofonia conquistou um novo reposicionamento estratégico mundial, induzido pelas grandes descobertas de petróleo e gás natural. Brasil, Angola e Moçambique representam hoje mais de 50% das descobertas petrolíferas realizadas nos últimos sete anos.

“Isto traz uma especial responsabilidade ao espaço lusófono. Posso dizer-lhes, inequivocamente, que essas descobertas agregadas à sustentabilidade dos sucessos passados, que Angola transforma o espaço lusófono, reposicionam, em termos geopolíticos, o espaço lusófono na economia global. Não tenho dúvida nenhuma sobre isso”, declarou o presidente executivo da Galp Energia, Manuel Ferreira de Oliveira.

Para ele, tal constitui um desafio para o qual os lusófonos se devem preparar, “ocupando no mundo o papel que a geologia chama a desempenhar”. “Só falta Portugal encontrar petróleo”, complementou Ferreira de Oliveira.

–– Um instituto pan-lusófono para o petróleo e gás ––

Refinaria de Sines, cidade litorânea do Baixo Alentejo: Galp Energia e seis universidades portuguesas criaram instituto lusófono para o petróleo e gás.
 

A Galp Energia e as seis maiores universidades portuguesas criaram recentemente o Instituto do Petróleo e Gás (ISPG), com o objetivo de promover a competitividade das indústrias de energia nos países lusófonos através da formação avançada de quadros técnicos e da criação de uma rede de cooperação entre empresas, universidades e centros de investigação.

Fazem parte da iniciativa a Universidade de Aveiro, a Universidade do Porto, a Universidade do Minho, a Universidade Nova de Lisboa, o Instituto Superior Técnico de Lisboa, a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

O ISPG poderá criar delegações e instalar centros de investigação e formação em qualquer do países de Língua Portuguesa. O foco está sobre os países onde as atividades ligadas à indústria petrolífera e de hidrocarburetos estão mais desenvolvidas, como Brasil, Angola e Moçambique.

Todas essas descobertas, bem como o desenvolvimento de um esforço conjunto para desenvolver a indústria do setor, fortalecem a precepção de que, nos próximos anos, muitos dos negócios ligados ao comércio internacional do petróleo serão efetuados em Língua Portuguesa.  :::

.
–– Extraído da Agência Lusa e dos jornais Expresso e Diário Económico (Portugal) ––

*              *              *

Leia também:
A era do petróleo em português – Ruben Eiras – 24 de novembro de 2012

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: