Articles

EUA: Encontro Mundial sobre o Ensino de Português na Flórida

In Defesa da Língua Portuguesa, Língua Portuguesa Internacional, O Mundo de Língua Portuguesa on 1 de Maio de 2013 by ronsoar Tagged: , , , , , ,

Ana Grácio Pinto
Do jornal O Emigrante – Mundo Português (Lisboa, Portugal)
24 de abril de 2013

II Encontro Mundial sobre o Ensino de Português – de 3 a 5 de maio – Fort Lauderdale, Flórida, EUA.Congregar as novas descobertas e perspectivas sobre a aquisição de Língua – e com isso contribuir para a melhoria e eficácia dos professores de português – é o principal objetivo do II Encontro Mundial sobre o Ensino de Português, que se realiza entre 3 e 5 de maio em Fort Lauderdale, Flórida, Estados Unidos, realizado pela Organização Americana de Professores de Português (AOTP, no original em inglês). Durante três dias, sessões, mesas-redondas e palestras dinâmicas e inovadoras vão trazer para o centro do debate o ensino e o futuro do Português tanto como Língua de Herança, quanto como Língua estrangeira.

Este ano, a organização deu prioridade à apresentação de artigos com áreas temáticas específicas, como o desenvolvimento de programas de português, metodologias e abordagens ao ensino de línguas, desenvolvimento de atividades comunicativas e formas inovadoras de praticar todos os modos comunicativos. “É uma excelente oportunidade para conhecer o trabalho que especialistas e colegas desenvolvem com o Ensino de Português em vários países. Convidamos todos a conhecer iniciativas criativas e dinâmicas e ver o seu impacto e resultados”, avançou ao Mundo Português Luís Gonçalves, membro do Conselho da Organização Americana de Professores de Português (AOTP).

.
O encontro insere-se no objetivo daquela associação profissional de professores, que preconiza o desenvolvimento e a formação contínua dos seus membros. “Por isso, organizamos este encontro anual onde os professores vêm e apresentam trabalhos e estudos no âmbito das metodologias de ensino, da linguística, que demonstram que determinada metodologia funciona ou não. E é na partilha desses conhecimentos que a atividade pedagógica vai melhorando”, afirma o docente universitário português.

Luís Gonçalves, da AOTP, entidade organizadora do evento sobre o Ensino de Português.

Este ano, há 35 professores que inscreveram estudos e trabalhos para apresentação aos participantes, todos eles com um grau elevado de interesse, destacou Luís Gonçalves. “Um dos trabalhos a apresentar será sobre como integrar as novas tecnologias, em particular o Skype [logicial gratuito de telefonia pela Internet], como ferramenta pedagógica, o que é muito interessante porque permite aos alunos falarem com os nativos da Língua e terem conversas informais”, revelou, destacando ainda outro estudo centrado na utilização das partir das histórias populares (literatura folclórica, sobretudo a de cordel) como ferramenta de ensino e que culminou na criação por parte dos alunos, das suas próprias histórias populares.

Os trabalhos foram elaborados por professores do Brasil, dos Estados Unidos, da Nigéria, da Argentina, do Peru, da Colômbia, do México e de Trinidad e Tobago, um universo de palestrantes que é indicador do interesse global que o português tem despertado nas últimas décadas.

“Não nos surpreendeu a inscrição de palestrantes da América Latina, porque, com o Mercosul [Mercado Comum do Sul], é objetivo que o português se torne Língua obrigatória nos sistemas de educação de todos os países hispânicos que o integram. Por exemplo, o português já está integrado no ensino secundário e universitário na Argentina. Por isso é natural que tenham aparecido trabalhos de profissionais desses países”, sublinha Luís Gonçalves, português natural de Tomar e docente desde 2010 na Universidade de Princeton [Estado de Nova Jersey], instituição onde estudam cerca de 100 alunos de português, a nível de licenciatura e pós-graduação.

–– Língua de Herança e de negócios ––
Para além das apresentações dos trabalhos e estudos, o encontro terá ainda a participação de três palestrantes convidados:

• Gilvan Müller de Oliveira, professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil, e presidente do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), irá falar sobre a presença do português na Internet e as oportunidades que este meio apresenta como ferramenta de trabalho e onde os alunos podem ir à procura de informação que seja pertinaz.
• Gláucia Silva irá falar sobre o trabalho que desenvolve junto dos falantes de Português como Língua “de Herança”. Mestre em Linguística e doutora em Linguística Hispânica pela Universidade de Iowa, é docente no Departamento de Português da Universidade de Massachusetts em Dartmouth, considerado uma referência no Ensino do Português nos Estados Unidos.
• Orlando Kelm, professor associado de Linguística Hispânica na Universidade do Texas, onde ministra cursos em português e espanhol, é especializado no Ensino da Língua Portuguesa para negócios e nos aspectos culturais da comunicação em negócios internacionais, tema que irá apresentar.

Gilvan Müller de Oliveira (do IILP), Gláucia Silva (da Universidade de Massachusetts), e Orlando Kelm (da Universidade do Texas) estão entre os palestrantes convidados do Encontro Mundial sobre o Ensino de Português, na Flórida, EUA. 

Gilvan Müller de Oliveira (do IILP), Gláucia Silva (da Universidade de Massachusetts), e Orlando Kelm (da Universidade do Texas) estão entre os palestrantes convidados do Encontro Mundial sobre o Ensino de Português, na Flórida, EUA.
 

Para Luís Gonçalves, este é um tema importante e atual, já que, sublinha, “foram os negócios que, num primeiro momento, implantaram o português como uma Língua internacional”. “Mas agora a Língua está a ganhar novos espaços na ciência, e é preciso manter metodologias de trabalho e práticas pedagógicas interessantes para continuarmos a ter alunos”, alerta.

Por outro lado, o docente recorda que nos Estados Unidos, o público de Português Língua de Herança é muito importante. “Tem sido feito um trabalho muito interessante com a comunidade portuguesa desde há muitos anos e com a comunidade brasileira, que é mais recente. Vários participantes vão apresentar trabalhos sobre isso.”

“Para a comunidade brasileira em particular, é muito importante. Porque enquanto a comunidade portuguesa se instalou nos Estados Unidos há muito tempo e não há uma atitude de regresso, na comunidade brasileira, por ser mais recente e porque o Brasil tem estado com uma atividade económica muito intensa, muitos querem voltar. Por isso, é muito importante que os filhos saibam falar português”, explicou.

–– Português é visto como terceira Língua pelos universitários dos EUA ––
Já como Língua estrangeira, o docente universitário diz que nos Estados Unidos o português é aprendido mais como terceira Língua, “porque muitos que vão aprender português já falam espanhol ou outra língua estrangeira”. “Esse público está a crescer muito, e há uma preocupação em haver mais cursos. Desde 1988-1989 que o número de pessoas a estudar português tem aumentado bastante”, sublinhou.

Sobre o contínuo crescimento do interesse na “Língua de Camões”, o docente da Universidade de Princeton defende que passara pela escolha de opções. “Para mantermos esta posição privilegiada que temos estado a ter no mercado internacional, precisamos que a pesquisa linguística em Portugal e no Brasil se concentre no que acontece na sala de aulas entre o professor e o aluno e entre o aluno e o mundo exterior. E deixemos de fazer tantas pesquisas sobre política da Língua e gramática, porque não têm impacto na vida de um professor de português como língua estrangeira”, defendeu.

–– Língua Portuguesa: “produto de negócios” ––
Além disso, acredita que a área das Humanidades, nas universidades portuguesas e brasileiras, devem adotar “um modelo de negócio”. “Porque o português é um ‘produto’ e nós temos ‘clientes’ interessados, com dinheiro para investir nesta área”, afirma, explicando que são necessários “programas de intercâmbio de qualidade que respeitem os calendários escolares dos outros países”, para além de uma produção cultural “interessante, mas que chegue aos professores nos outros países”. “Acho sinceramente que a Língua Portuguesa vai crescer na Ásia, e não só na China onde já está a crescer, mas também em outros países, pela via dos negócios”, afirmou.

Por parte de Portugal, considera importante que a produção científica nacional presente nas bases de dados internacionais fosse escrita em português. “Estamos a fazer muita pesquisa científica e a publicá-la em inglês. Isso faz com que nas áreas das Ciências não haja grande interesse em aprender português, porque não é necessário. Quem tem mantido o português como Língua de ciência tem sido o Brasil”, lamenta.  :::

.
Clique aqui para ver a programação do II Encontro Mundial sobre o Ensino de Português, em Fort Lauderdale, na Flórida, EUA.

II Encontro Mundial sobre o Ensino de Português
Promovido pelo Focus-Brazil Foundation e pela Organização Americana de Professores de Português (AOTP). De 3 a 5 de maio.
Broward Center – Fort Lauderdale, Flórida, EUA.

.
PINTO, Ana Grácio. Estados Unidos acolhem Encontro Mundial sobre o Ensino do Português.
Extraído do jornal O Emigrante – Mundo Português (Lisboa, Portugal).
Publicado em: 24 abr. 2013.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: