Articles

“Esta é a hora do português”: a Língua na rota da economia

In Defesa da Língua Portuguesa, Língua Portuguesa Internacional on 10 de Dezembro de 2012 by ronsoar Tagged: , , , , , ,

Vanessa Cruz
da TVI (Portugal)
5 de dezembro de 2012

.
É preciso colocar a Língua na rota da economia.
Potencial é imenso, mas ainda há muito a fazer.

Cresce a atenção para o potencial económico das regiões e países da Lusofonia, que contam com cerca de 300 milhões de pessoas ao redor do mundo.

Cresce a atenção para o potencial económico das regiões e países da Lusofonia, que contam com cerca de 300 milhões de pessoas ao redor do mundo.

Trezentos milhões de falantes de português pode parecer, à partida, um número estrondoso. Mas a verdade é que a Língua Portuguesa é a quarta a nível mundial em termos de falantes maternos e está entre a sexta ou sétima posição em termos globais. Ainda está espantado com o poder da nossa Língua?

Pois é nela que pode estar uma das grandes saídas para a crise. Aproveitando a prata da casa. Melhor: o ouro. O Potencial Económico da Língua Portuguesa, apresentado esta quarta-feira [dia 6 de dezembro], em Lisboa, vem abrir o cofre.

“Esta é a hora do português. Estão criadas todas as condições para tornarmos isto um fenómeno global”, disse à Agência Financeira o reitor do ISCTE [Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, de Lisboa], Luís Reto, coordenador do livro.

Há que ter em conta dois ângulos neste processo de colocar a Língua na rota da economia: um é pela via da Comunidade lusófona; o outro é o valor criado para fora, para uma economia em rede.

“É como nos telemóveis: quanto mais utilizadores, mais rede têm, mais benefícios”, explica o reitor do ISCTE. Existem outros, fora da CPLP, “que querem transacionar com esta Comunidade linguística”. É o caso da China, onde há já “um grande pedido para professores de português”. Esse país “já forma chineses para ensinar português”. Não admira: os chineses têm “interesses muito grandes” no Brasil e em África. “Precisam de gente que domine o idioma”, constata Luís Reto.

Internamente, o potencial também é imenso. “O facto de pertencermos a uma comunidade alargada de falantes facilita uma série de mecanismos económicos. Os economistas comparam as diferenças entre línguas como um imposto a mais que se paga.” Entre falantes de Língua Portuguesa, os negócios, os investimentos, não têm essa barreira. E já somos muitos a falar português.

Basta olhar para o crescimento económico de países como o Brasil, Moçambique ou Angola. “Isto é um fenómeno relativamente recente”. É recente, mas lá fora já se cheira este potencial. Exemplo disso, a revista Monocle, que dedicou a edição de outubro à “Geração Lusofonia”.

Luís Reto: "Esta é a hora do português. Estão criadas todas as condições para tornarmos isto um fenómeno global."

Luís Reto: “Esta é a hora do português. Estão criadas todas as condições para tornarmos isto um fenómeno global.”

É preciso “encarar a Língua como um produto”. Literalmente. “Fez mais a Monocle sobre esta notoriedade da Língua do que nós e a CPLP fizemos”. Torna-se crucial, adverte, uma “política de grande cooperação”, porque “a todos interessa que a afirmação da Língua seja global”. Cristiano Ronaldo, José Mourinho, Caetano Veloso, Lula da Silva, Pepetela podiam ser embaixadores, agregadores, deste trunfo, exemplifica.

E, depois, Portugal “não pode olhar para isto como se fôssemos esmagados” pelo Brasil. “Temos coisas mais avançadas do que eles e vice-versa. Vendemos muito mais serviços para o Brasil do que eles para nós”, por exemplo. O que importa aqui é “identificar bem a potencialidades desta Comunidade como um todo. Não é só a grandeza dos países que vai determinar quem ganha e quem perde.”

No livro, são analisadas quatro variáveis, ao nível do investimento direto, comércio externo, fluxos migratórios e turismo. Reflete-se sobre o peso d’ “a Língua de Camões”. Um peso de 17% no PIB. Revelador. O reitor do ISCTE não tem dúvidas: “Se a situação económica do país é má, estaríamos muito pior sem estar na CPLP”.

Daí que “uma das grandes soluções para a nossa saída da crise seja uma estratégia clara da CPLP”, por um lado, e do Estado português, por outro.

Uma meta de médio prazo, mas que pode começar a ter resultados antes. Para isso, a aposta tem de recair sobre a “indústria de conteúdos em conjunto, telecomunicações, edição”, sendo que “o Acordo Ortográfico ajuda”. Mais ainda: joint ventures [coempreendimentos] portuguesas no espaço lusófono, parcerias com empresas alemãs para entrarem em África, uma intenção expressa durante a visita de Angela Merkel a Portugal. Os próprio polacos “precisam de Portugal para entrar em África”.

E, aqui, a Língua é um trunfo. Que tem de ser promovido e utilizado como tal.  :::

.
CRUZ, Vanessa. “Esta é a hora do português”: apostar na Língua é sair da crise.
Do sítio de notícias TVI 24 Horas – seção Economia (Portugal).
Publicado em: 05 dez. 2012.

*              *              *

Leia também:
“Geração Lusofonia” é tema da revista Monocle – 21 de setembro de 2012
Anacoreta Correia: valor cultural e económico da Língua Portuguesa está a crescer – 28 de setembro de 2012
Língua Portuguesa vale 17% da economia de Portugal – 01 de outubro de 2012
Marcelo Rebelo de Sousa: Língua Portuguesa tem “valor incomensurável” – 06 de dezembro de 2012

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: