Articles

Universidades portuguesas apostam em alunos da Lusofonia

In Lusofonia e Diversidade, O Mundo de Língua Portuguesa on 30 de Outubro de 2012 by ronsoar Tagged: , , , ,

Samuel Silva
Do jornal Público (Lisboa, Portugal)
27 de outubro de 2012

As universidades portuguesas apostam na formação de estudantes vindos do Brasil e das demais nações da Lusofonia.

:::  Peso da mobilidade de estudantes europeus é cada vez mais reduzido, protegendo as instituições nacionais da eventual crise no financiamento do maior programa de intercâmbio da União Europeia.  :::

O Brasil é o ponto de encontro entre os dois novos mercados de captação de alunos de intercâmbio pelo sistema de ensino superior nacional. Os estudantes dos países da América do Sul e da Lusofonia têm um peso cada vez maior nas universidades e politécnicos, uma aposta que está a ter bons resultados financeiros para as instituições. Ao mesmo tempo, permite que o país esteja menos exposto à crise de financiamento por que passa o programa europeu Erasmus – Esquema de Ação da União Europeia para a Mobilidade de Estudantes Universitários.

Em Coimbra, concentra-se metade dos estudantes brasileiros em Portugal, segundo dados da Embaixada do Brasil. São cerca de dois mil, dos quais 400 viajaram ao abrigo de um programa de formação de professores do ensino secundário. “Estas formas de mobilidade têm muita importância para nós”, sublinha o vice-reitor da Universidade de Coimbra, Joaquim Ramos de Carvalho. Além das parcerias com o Brasil, a instituição tem acordos com vários outros países lusófonos, recebendo estudantes de Angola (cerca de 200), Moçambique e Timor.

A mobilidade tem sido associada ao intercâmbio entre estudantes europeus, sobretudo ao abrigo do programa Erasmus. Porém, as principais instituições nacionais começam a diversificar os países de origem dos estudantes estrangeiros que as frequentam. “Na sua estratégia de abertura internacional, a Universidade do Porto trabalha com outros programas”, esclarece o vice-reitor António Teixeira Marques. Ao abrigo do programa Ciência Sem Fronteiras, do Governo brasileiro, chegaram àquela instituição 340 alunos só este ano.

A Universidade do Porto gere também sete grandes projetos de mobilidade de professores, alunos e investigadores para a América Latina e países lusófonos. “Tudo isto está a trazer muita gente”, sustenta António Marques. Ao abrigo desses programas, a instituição gere, durante quatro anos, 28 milhões de euros, que representam de 7% a 10% do seu orçamento.

O programa Erasmus – Esquema de Ação da União Europeia para a Mobilidade de Estudantes Universitários – foi criado em 1987 e faz parte do Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida, desenvolvido pela Comissão Europeia.

 

O mercado brasileiro é também uma das apostas dos institutos politécnicos. Nos próximos três anos, 4.500 estudantes vão estudar em Portugal ao abrigo de um acordo entre o Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) e o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica do Brasil, no âmbito do programa Ciência Sem Fronteiras.

No início de 2013, chegam a Portugal os primeiros alunos que vão estudar ao abrigo deste acordo, que o presidente do CCISP, João Sobrinho Teixeira, vê como “simbólico” da “capacidade de afirmação do sector politécnico”. Um terço dos estudantes de politécnicos brasileiros no estrangeiro virá para Portugal, o que terá um impacto direto em propinas e outras taxas de cinco milhões de euros nos orçamentos das instituições nacionais. A estes acrescentam-se os três milhões de euros de impactos indiretos estimados com os gastos mensais em alimentação e alojamento.

A este programa, os politécnicos acrescentam um outro projeto de mobilidade na Lusofonia, envolvendo instituições de Macau [na China] e África. A iniciativa faz-se sem financiamento para os alunos, assumindo as instituições de acolhimento os gastos com alojamento.

A aposta noutros mercados deixou as instituições nacionais menos expostas aos problemas que afetam o Erasmus, o principal programa de mobilidade europeu. A Universidade do Porto, por exemplo, é a universidade portuguesa que mais estudantes envia e recebe ao abrigo desse programa, mas essa já não é a principal iniciativa de mobilidade em que a instituição participa.

Porém, uma crise no Erasmus seria “desastrosa”, avalia Teresa Cerveira Borges, pró-reitora da Universidade do Algarve. Principalmente para os alunos: “O financiamento é muito baixo. Hoje, quem não tiver apoio das famílias, dificilmente vai em Erasmus e sem apoio será ainda pior.”

–– Menos alunos a sair ––

Para o vice-reitor da Universidade do Minho, António Cunha, o programa Erasmus é “importante forma de promoção” das universidades portuguesas como destino na Europa.
 

Durante o último ano letivo, pelo menos 700 alunos portugueses desistiram de embarcar numa experiência de mobilidades depois de já se terem inscrito, apontando as dificuldades financeiras como principal motivo para a decisão. Ainda assim, quase seis mil portugueses estudaram na Europa no ano letivo de 2010-11, ao abrigo deste programa. Já a procura das instituições nacionais por parte de estudantes estrangeiros tem vindo sempre a crescer e atingiu, nesse ano, o máximo histórico de 7.582 alunos. Por isso, o programa é visto como uma “importante forma de promoção” das universidades e politécnicos nacionais como destino de formação, salienta o reitor da Universidade do Minho, António Cunha. “Muitos dos que cá vêm em Erasmus regressam depois para fazer mestrados e doutoramentos”, ilustra.

As verbas pagas por formações pós-graduadas têm um impacto grande nas contas das instituições nacionais. Já o peso do Erasmus nos orçamentos das universidades “não é muito significativo”, reconhece o vice-reitor da Universidade de Coimbra. Todavia, valoriza o mesmo responsável, os estudantes em mobilidade têm um “impacto enorme na cidade e na vida académica”.

O programa Erasmus é uma das mais bem-sucedidas experiências de mobilidades na União Europeia (UE). A iniciativa engloba 33 países europeus e já permitiu a mobilidade de quase três milhões de pessoas desde que foi criada, em 1987. Apesar das dificuldades sentidas com o seu financiamento nos últimos meses, a UE apresentou há um ano o programa Erasmus para Todos, destinado ao período 2014-2020. A iniciativa passará a dispor de um orçamento total de 19 mil milhões de euros e o objetivo é alargar o número de beneficiários do programa, abrangendo cinco milhões de pessoas nesses sete anos.

.
SILVA, Samuel. Universidades fintam crise no Erasmus com aposta em alunos da Lusofonia.
Extraído do jornal Público – seção Educação (Lisboa, Portugal).
Publicado em: 27 out. 2012.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: