Articles

Faleceu o escritor infanto-juvenil Manuel António Pina

In Defesa da Língua Portuguesa, Língua Portuguesa Internacional on 23 de Outubro de 2012 by ronsoar Tagged: , , ,

::: Faleceu na tarde da sexta-feira dia 19, no Hospital de Santo António, na cidade do Porto, o escritor e jornalista Manuel António Pina (1943-2012) :::

Da Agência Lusa

Galardoado em 2011 com o Prémio Camões, o mais importante da literatura da Língua Portuguesa, tem uma vasta obra de poesia e literatura infanto-juvenil, sendo também autor de inúmeras peças de teatro e de livros de ficção e de crónica.

Manuel António Pina, jornalista, poeta e escritor, tinha 68 anos, nasceu na cidade de Sabugal, na Beira Alta, e licenciou-se em Direito pela Universidade de Coimbra. Vivia no Porto desde os 17 anos de idade e foi jornalista do Jornal de Notícias durante três décadas, sendo repórter, redator, editor e chefe de redação. Até há poucos meses, o autor mantinha uma coluna no mesmo Jornal de Notícias.

No início da carreira – em pleno regime salazarista –, o autor estava em pleno serviço militar e assinava os textos apenas com os nomes do meio, como António Mota. Como não podia mostrar o rosto em fotografias, tornou-se conhecido como o “Senhor Costas”.

Seu primeiro livro de poesias foi publicado em 1974: Ainda Não É o Fim Nem o Princípio do Mundo Calma é Apenas um Pouco Tarde. Após o nascimento de suas duas filhas, passou a dedicar-se à literatura infantil.

A vasta obra de Manuel António Pina, muito conhecida pela poesia e pela literatura infantil, também abrange inúmeras peças de teatro e de livros de ficção e de crónicas. Algumas dessas obras foram adaptadas ao cinema e televisão e editadas também em disco.

Na área da literatura infanto-juvenil, destacam-se os livros O País das Pessoas de Pernas para o Ar (1973), Gigões & Anantes (1974), O Têpluquê (1976), História com Reis, Rainhas, Bobos, Bombeiros e Galinhas (1984), e O Tesouro (1993). Na poesia, sobressaem os títulos Nenhum Sítio (1984), Um Sítio Onde Pousar a Cabeça (1991), Cuidados Intensivos (1994), Nenhuma Palavra, Nenhuma Lembrança (1999), Os Livros (2003) e Como se Desenha uma Casa (2011). Foi publicada no ano passado a coletânea com toda a sua obra poética: Todas as Palavras – Poesia Reunida (1974-2011).

A sua obra foi publicada em França (francês e corso), Estados Unidos, Espanha (espanhol, galego e catalão), Dinamarca, Alemanha, Países Baixos, Rússia, Croácia e Bulgária. Antes do Prêmio Camões de 2011, o autor recebeu condecoração de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, em junho de 2005.

O corpo do escritor Manuel António Pina foi sepultado no cemitério do Prado do Repouso, no Porto.

.
–– Extraído da Agência Lusa ––

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: