Articles

A Língua Portuguesa quer voltar à Galiza

In Defesa da Língua Portuguesa, Língua Portuguesa Internacional on 19 de Julho de 2012 by ronsoar Tagged: , , , ,

Raúl Ríos, de Santiago de Compostela
Do jornal El PaísGalicia (Espanha)
13 de julho de 2012

:::  A Junta da Galiza ainda não oferece aulas de português nos institutos de ensino, apesar do aumento da demanda nos últimos anos e da proximidade linguística com o galego.  :::

.

Sala de aula de curso de Língua Portuguesa na Galiza: apesar do aumento da demanda, as aulas da Língua não fazem parte da grade oficial de ensino. (Foto: El País)
 

“O galego é extremamente útil porque, sabendo o galego, você pode se comunicar com mais de 200 milhões de pessoas. Excluindo o chinês, depois do inglês e do espanhol, está o português.” Não é uma citação do professor Ricardo Carvalho Calero, ou de Castelao, ou de Isaac Díaz Pardo ou de qualquer outro “galeguista” –(1)–. Quem respondia era o presidente da Junta da Galiza –(2)–, Alberto Núñez Feijóo, em entrevista feita pelo canal Intereconomía, ao lhe perguntarem sobre o “problema” que era para dar às crianças alguns cursos de galego.

Alberto Núñez Feijóo, presidente da Junta da Galiza, reconheceu os laços linguísticos entre
o galego e o português.

A questão não é nova, por surpreendente que possa parecer ouvi-la na boca do presidente que reduziu as classes de galego a 33%, ou o que votou contra uma proposta de lei do partido Bloco Nacionalista Galego para introduzir o português como segunda língua estrangeira em 2011. Durante os últimos dois séculos, a maior parte das elites intelectuais da Galiza defendeu os laços que seu próprio idioma mantém com a Lusofonia. O escritor e jornalista Álvaro Cunqueiro já previa, em 1970, que em 2000 o galego seria falado “por 200 milhões de pessoas”, incluindo todos os países lusófonos. O grande autor galego nascido em Mondoñedo deixou essa cifra um tanto por baixo, já que o português tem hoje mais de 250 milhões de falantes (3,6% da humanidade), sendo a quarta língua mais falada do mundo.

No último 25 de junho, a Mesa do Parlamento [da Galiza] admitia para o trâmite uma Iniciativa Legislativa Popular (ILP), com o nome de Valentín Paz-Andrade (1898-1987), escritor e empresário homenageado este ano no Dia das Letras Galegas [17 de maio]. Os promotores da iniciativa devem coletar 15 mil assinaturas para que se discuta no Paço do Hórreo –(3)– a opção de incluir aulas de português no ensino obrigatório e de aproveitar os vínculos do galego com a Lusofonia. O empresário pontevedrino já via o potencial econômico do galego como uma ferramenta de comunicação mundial com que podem se entender milhões de pessoas, “apesar de falarem com um sotaque diferente ou de escreverem de forma diferente um certo número de palavras.”

E na hora de fazer negócios, o português torna-se cada vez mais importante. O Brasil, um dos oito países onde é oficial, já é a quinta maior economia do mundo. Um estudo do Banco Espírito Santo, de Portugal, quantifica que a Lusofonia representa, em termos econômicos, 4,6% do PIB mundial, além de ser a língua de 2% das relações comerciais em todo o planeta. “Nos currículos que chegam às empresas, é muito comum as pessoas colocarem que sabem português, mesmo que não tenham nenhum título, apenas por serem galegos.”

José Ramom Pichel é o responsável da imaxin|software, a única empresa galega que desenvolve logiciais (softwares) diretamente para a Microsoft. Pichel, depois de ir ao Brasil a negócios, ressalta a importância não só de entender, mas também de dominar uma língua e suas variantes na hora de ganhar a confiança: “O toque pessoal é fundamental no mundo dos negócios. Ali, o galego é uma vantagem.”

“O português é como se fosse um galego mais culto. Ao estudar português, aprendo novas palavras galegas que eu não conhecia.” Essa foi a impressão de Sabela, uma jovem aluna que começou recentemente um curso de português na Escola Oficial de Idiomas –(4)– de Santiago de Compostela e que, em uma semana, sentiu que “quase não há diferenças entre o galego e o português”. Para seu professor, Ângelo Meraio, um galego parte com quase todo o caminho andado na hora de aprender esta Língua.

O domínio de uma língua é medido através de quatro habilidades: expressão escrita e oral (ativas) e compreensão escrita e oral (passivas). “Um galego, sem qualquer tipo de aprendizagem prévia, quase domina a compreensão escrita e oral.” Eduardo Sanches, também professor, concorda que a maior dificuldade do português está no momento de aprender a fonética de outras regiões. Quanto ao resto, “alguém com um bom nível de galego culto já parte de um ponto muito avançado”.

Uma proposta de lei de inclusão do português na grade de ensino da Galiza leva o nome do escritor galego Valentín Paz-Andrade (1898-1987).
 

Com menos de 2 mil estudantes de português no curso passado — que já representou um aumento de 18% em relação ao ano anterior —, o galego comum ainda está longe de explorar o máximo das potencialidades da “língua de Camões”. Os especialistas da área lusófona e as entidades que trabalham com o português concordam com o diagnóstico: falta apoio institucional. E agências como a Associaçom Galega da Lingua, a Academia Galega da Língua Portuguesa ou a Associação de Professores de Língua Portuguesa em Espanha também concordam com a cura: o primeiro passo é introduzir o português no ensino público. Com a ILP Paz-Andrade, abre-se esta opção, se os galegos quiserem que o português volte nova-mente a se aproximar da terra onde nasceu.

–– Notas ––
–(1)– O “galeguismo” é uma corrente política criada por escritores e intelectuais galegos e identificada com o nacionalismo galego, com objetivos de preservar e promover a identidade cultural da Galiza através da língua, da literatura e das artes, além de criar instituições culturais e políticas próprias para a região do noroeste da Espanha.

–(2)– A Junta da Galiza [Xunta de Galicia, em galego] é o órgão colegiado que exerce a função executiva de Governo da Comunidade Autônoma da Galiza, cuja sede localiza-se em Santiago de Compostela.

–(3)– O Paço do Hórreo é a sede do Parlamento da Galiza, órgão máximo de representação política do povo galego, situado em Santiago de Compostela.

–(4)– As Escolas Oficiais de Idiomas são institutos de ensino público de línguas vinculados às Conselherias de Educação de cada uma das comunidades autônomas em que é dividido o território da Espanha — como é o caso da Galiza.

.
RÍOS, Raúl. El portugués quiere volver a Galicia.
Do jornal El PaísGalicia — Espanha.
Publicado em: 13 jul. 2012.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: